23 de dezembro de 2011

Um Novo Tempo

Sempre haverá outro dia,
Um amanhã que renasce trazendo alegria,
Não importa o que passou!

Deixe no armário guardado,
Naquele cantinho onde escondemos o passado,
Um novo tempo chegou!

Não te preocupes nem precisas esquecer,
Tome como uma lição recebeu por merecer,
Faça agora algo diferente!




Seja o dono dos seus sonhos,
Espantes seus medos e os fantasmas enfadonhos,
Caminhar é sempre pra frente!

Diga eu posso e tenha certeza que poderás,
Acredite e verás que acontecerás,
A fé move montanhas!

Com humildade toque o coração de Deus,
Que de braços estendidos estão para os que são Seus,
Bem aventurado é todo aquele que crê!

15 de dezembro de 2011

Velho Companheiro


Cada verso meu,
É um pedaço do que ainda me resta,
E não tenho pressa, ando mesmo devagar,
A vida parece mesmo uma festa,
Muitos querem sair, outros querem chegar,
Talvez busquem algo que se perdeu!

Um sentimento mal vivido,
Talvez um caso sem solução,
Um amor que ainda não foi esquecido!

Quando se sabe que está perdido,
Não importa para que lado caminhar,
Quem sabe aonde vai chegar?

Quando meus pés cansados estiverem,
Vou armar minha rede,
Aqui mesmo perto do rio,
Água tem, posso matar minha sede!

Na brisa da noite tento ignorar o frio,
Imaginando estar nos seus braços,
E sentir todo carinho que meu corpo pede.

O tempo é um velho companheiro,
De passagem sem nenhuma pressa segue lentamente,
E não importa se às vezes bate algum desespero,
O tempo tem seu próprio tempo,

Não é mais, não é menos, é simplesmente exato,
Você pode se magoar até mesmo se desesperar,
Dizer que acha tudo isto muito chato,
Mas a vida é assim, não tem outro jeito senão encarar!

13 de dezembro de 2011

Breve Resposta


Hoje caminhei pelas ruas,
Em meio à multidão frenética, estava só,
Nem mesmo todo esplendor da lua,

Que descobriam as penumbras ao redor,
Iluminava um coração sombrio,
Dava pena, dava dó!

A brisa estava fria, inquietante,
Os pensamentos vagos, tão distantes,
Mais um momento de sonhos,


Que se converte em pesadelos,
Olhar penetrante, tão tristonho,
Melhor não lembrar, nunca quis tê-los!

Há momentos que não vivemos,
Eles passam por nós como folhas, ao vento,
Levados, sabe-se lá pra onde vão!
Talvez o tempo nos diga numa breve resposta,

Tudo que busca um dilacerado coração,
A felicidade que não pode ser imposta,
Mas que bate a porta,
Daqueles que ainda tem esperança.

3 de dezembro de 2011

Sentimento Atroz


Hoje vou caminhar pela rua,
Em passos lentos, de peito aberto aos ventos,
Vou apreciar a beleza da lua,
Que vive só, entre as estrelas, assim como eu sem alento,

Hoje vou gritar no mais alto lugar da montanha,
Ouvirei o eco do meu grito,
Que traz a dor que me aperta que me assanha,
Mesmo assim eu não desisto!



Hoje vou caminhar no deserto,
Com passos lentos, movimentos incertos,
Estarei mesmo só, mas, isto já não importa mais,
É assim que vivo mesmo que em meio à multidão!

Sei que meus sentimentos me traem,
Tudo que sonhei já não me satisfazem,
O que ainda posso esperar então?

Mesmo que eu cale a minha voz,
Na minha alma aflora um sentimento atroz,
E meu grito agora mais forte ecoa no infinito!

Sei que não estarei só,
Hoje sinto que tenho asas, vou voar pelas montanhas,
Deixar o vento me levar, não tento controlar,
Viver é mais, é tudo que preciso agora!