Textos Sugeridos pelo Autor

21 de dezembro de 2015

Tempo


Não brigo com o tempo,
Por que este não tenho,
Ele vem de qualquer jeito,
E não importa o quanto desdenho,
Tudo que fiz está feito.

Não se pede tempo ao Tempo,
Nem castelos se constrói na areia,
Não se brinca ao mar se a maré é cheia,
E nunca duvide da esperança alheia,
Minha vó sempre dizia, é coisa feia!




Este tempo que não para,
E a gente querendo dar um tempo para a vida,
Se viver é agora, buscar algo lá fora,
Um dilema será causa perdida,
Se perder no tempo, melhor seria ir embora!

Mas sem o Tempo para onde iríamos?
A vida passa tão depressa e nos esquecemos,
Que as vezes precisamos dar um tempo,
Um tempo para aquele amor que perdemos,
Para aquele sonho que não vivemos.

Por isto estou pedindo um tempo,
Para refletir sobre o que perdemos,
E te lembrar que ainda temos tempo,
Para fazer tudo que a gente fez,
Mas agora diferente, ainda temos tempo!




15 de outubro de 2015

Mesma Rotina

Não sei quantos são os meus dias,
Se soubesse não sei o que faria,
Se alguma coisa mudaria,
Ou se deixaria tudo como está.

Tem dia que a gente chora,
Acha que é certo ir embora,
Mas quando se põe da porta pra fora,
Não vê a hora e logo quer voltar.

Então porque se preocupar com coisa atoa,
Correr sempre atrás de uma vida boa,
Ter um pássaro à mão enquanto o outro voa,
É coisa estranha, mas é assim que acontece.





E a gente não acredita se os olhos não pode ver,
Se apega em coisas que não se pode ter,
E ainda é cético quando se diz é preciso saber viver
E finge que a dor é algo que facilmente se esquece.

Prometemos a nos mesmo que faremos algo diferente,
E logo caímos na mesma rotina, nos tornamos ausentes,
Daí vemos que nossa luta é mesmo incessante,
E sabemos de antemão como isto vai acabar.

Começamos a pensar em novas promessas,
Vamos devagar, não precisamos ter pressa,
Se soubesse que novamente cairia nessa,
Teria pensado numa forma de me safar.




17 de setembro de 2015

Quem Se Importa?




O desconhecido nos leva a uma selva,
Onde as relvas, são as lágrimas, os sonhos!
Os passos que ficam para trás,

Em nossos olhos despontam o medo,
E todos nossos segredos,
Já não importam mais!


O relógio já não mede o tempo,
Porque o tempo já se foi,
E é tudo que temos pra hoje,

Pensar no amanhã, esquecer o depois,
O que sobra pra nós que ontem éramos dois,
Tanto se passou que agora nem sei!

Se eu gritar sabe lá quem vai escutar,
Quem quer saber o que tenho a dizer?
E o que dirão daquilo que vão saber?

Isto faz diferença? Aumenta tua crença?
São perguntas e onde estão as respostas?
Quer saber, quem se importa?

O mundo gira, segue a vida, 
São ciclos que se repetem, Mas nunca serão iguais
Seria tolice pensar, reviver o passado,

O caminhar é para frente,
As vezes se desvia para os lados,
Mas os objetivos estão adiante.