25 de novembro de 2010

Busca

Às vezes fico a imaginar,
O porquê de tantas angústias, tanto sofrimento,
Por que o desespero, o medo, coração sedento,
Em prantos a palpitar.

É a busca ofegante pela vida,
Que nos leva a rumos ignorados,
Vales, desertos, momentos inesperados,
Palavras soltas, como folhas secas, perdidas.

São estas buscas que dão sentido ao viver,
Nos mostra e ensina o caminho a percorrer,
E se cairmos iremos nos lembrar de que não estamos a sós.



Temos na bagagem uma porção de otimismo,
Pra não deixar que nasça em nós o egoísmo,
Que faz do homem nada, simplesmente pó.

0 comentários:

Postar um comentário

Sinta-se a vontade para fazer seus comentários, lembrando que comentários anônimo serão permitidos porém não serão publicados!


Cleilton F. Vieira
cleilton@msn.com