Textos Sugeridos pelo Autor

7 de dezembro de 2010

Dependente de Carinho

Queria te falar de amor,
Entregar-te flores ao amanhecer,
Acordar-te com beijos,
Atiçar-te os desejos,
Em meus braços te aquecer!
Abraçar-te, te envolver em meu calor!

Queria te levar pelas nuvens,
Conduzir-te pelos ares ao vento,
Falar-te de todo meu sentimento,
Não apenas dizer eu te amo!
Seria muito mais, além de vertigens,
Escuta amor, sou eu que te chamo!

Grito em meus sonhos o teu nome,
Grito bem alto aos quatro cantos deste mundo,
Conto as horas, minutos e os segundos,
Só pra te ver chegar!
A solidão que às vezes me consome,
Faz-me cada dia mais te amar!

Sou assim dependente de carinho,
Teu amor é sinônimo de vida,
Luz que ilumina minha estrada perdida,
Por onde vagamente andei sozinho,
Na ansiedade louca de te encontrar,
Olhar nos teus olhos e dizer, te amo querida!

2 de dezembro de 2010

Vale a Pena Tentar

Hoje mais do que ontem,
Tive vontade de esquecer
Esse passado duvidoso,
Que só me fez sofrer!

Vontade imensa que senti,
Que me fez pensar...
Se esse passado não existiu,
Jamais existirá!

O que me leva a crer,
Que é possível recomeçar!
Por essa razão sigo em frente
Acreditando que vale a pena tentar.

Pois, por maiores que sejam as lutas,
A vitória um dia virá!
E junto com a vitória,
A alegria chegará!

1 de dezembro de 2010

Rios de Lágrimas

Dizer adeus, nunca pensei,
Quando ouvi, não acreditei,
Ainda não consegui me acostumar,
Chegar aqui e não te ver,
Chamar-te e não me responder,
Não sei se posso aguentar!

Tudo aqui lembra o teu sorriso,
Volte porque eu te preciso,
Deixe que eu te abrace,

Que te aperte em meus braços,
Sem você eu me embaraço,
Escute meu grito, minha prece!

Hoje meu mundo não é real,
Invento-te todo dia, isto me faz mal,
Vejo teu rosto em cada face,
Toco seu travesseiro, inalo teu cheiro,
Vejo-me em desespero,
Isto é meu destino, não tem disfarce!

Amar-te assim foi tudo que restou,
Rios de lágrimas meu travesseiro molhou,
Saudade bandida que hoje de mim não sai,
Paixão recolhida que também não tem cura,
Vou morrer de paixão, de solidão e desventura,
Sou folhas secas que com o vento se vai.

25 de novembro de 2010

O Que a Vida Me Ensinou

A vida me ensinou a voar,
E sobre mares navegar,
Aprendi a não ter medo,
Tornei-me tão forte,
E sobre as asas desta sorte,
Viver é um brinquedo.

A vida me ensinou sonhos,
Descobri que por detrás de um rosto tristonho,
Escondem-se muitas razões para chorar,
Que águas que passam por um moinho não voltam jamais,
Que a juventude o tempo desfaz,
É realidade pura, não podemos negar.

Mas revivendo tudo nesta vida,
Nada aprendi vida sofrida,
Quantas noites acordado, em lamento,
Existem coisas que não pude aprender,
Esta vida não me ensinou a te esquecer,
Vivo apenas sonhos, sutis momentos.

Momentos que se passaram,
E que no tempo se perdeu,
Ficando apenas saudades, cheias de lembranças,
Um vazio na ama,
Subitamente me tira a calma,
Já não espero nada, foi se todas as esperanças.

Essência Divina

Por que viver chorando,
Se pra você a vida está a sorrir?
Qual a razão pra ficar lamentando,
Se há um caminho longo pra seguir?

Tudo na vida existe um “por que”
E a resposta está no seu interior,
Olhe pra dentro de você,
Ainda podes ser um vencedor.

Dê asas a sua imaginação,
E não confunda atordoado com derrotado,
Não te entregues, nem fique aí estagnado,

Afinal quem é você diante deste colosso em ação?
A vida é como rios de águas cristalinas,
Cultive a com prazer, ela é uma essência divina.

Não Sei Dizer

Às vezes me perguntam por que sou triste,
Na verdade nem mesmo sei dizer,
Acho que meus pensamentos se conturbaram em minha mente,
E faz tão triste meu viver.

Sob as asas de muitos sonhos,
Meus dias se passaram,
E hoje como um rebanho disperso,
Em nada, simplesmente em nada se tornaram.

Parando no tempo, luto contra o vento,
Perdido em meu caminho,
Na retomada para o futuro,
Sinto como é triste estar sozinho.

Às vezes não sei o que dizer,
Calado viajo em meus pensamentos,
Que me conduzem para outra dimensão,
Onde posso sonhar sem sofrimentos.

Interrogação

Se amanhã eu chorar,
Sentindo a falta dos braços seus,
Depressa, depressa vem me ajudar,
Se amanhã eu em encontrar sorrindo,
Saiba que continuo insistindo,
Pra ter você nos braços meus.

Abrir meu coração pra você entrar,
As chaves ficaram do lado de fora,
Por isto não posso te deixar,
Embora você insista em não me ver,
E assim eu tenha que lhe esquecer,
Não apagarei os momentos de outrora.
Fomos tudo que podíamos ser,
Tudo que hoje se resume em nada,

Até as lembranças vem me entorpecer,
Elas retratam nossos sonhos, nossas fantasias,
Nossas tristezas, nossas alegria.
Até nossas pegadas que ficaram pela estrada.

Será que o tempo apagou?
As chamas ardentes do nosso amor?
Será que foi o destino que nos separou?

Por um longo tempo permanecerá esta interrogação,
E sentirás em seu coração,
Que não sou apenas um sonhador.

O Sol Brilhará Outra Vez

As cortinas que envolveram nossas vidas,
Marcaram e ficarão eternamente,
Onde estiver lembrar-me-ei de você,
Amei-te loucamente.
Tenho apenas que lhe dizer,
Em poucas palavras, em versos singelos,
Você marcou meu viver.
Ninguém jamais fez me sentir o amor,

Você trouxe um caminho diferente,
Mas tudo durou tão pouco,
Com sua ausência fiquei quase louco,
Sem esperar você me disse adeus,

As chamas ardentes de nosso amor eram imensas,
Renunciávamos ao medo, deixávamos tudo acontecer,
Mesmo que encontrássemos barreiras,
Ninguém podia impedir o que explodia em nós,

Hoje tudo se acabou, você se escondeu, desapareceu.
Onde andas que não que consigo te ver?
A realidade não nega sua severidade,
Os dias passam e também não voltam mais,

Mas um amor verdadeiro nem à distância o desfaz,
Pode o mundo acabar ele permanecerá firme,
Revivo nossos momentos, únicas lembranças.
Enquanto elas estiverem presentes,

Nada me fará te esquecer,
Espero que saiba o porquê deste adeus,
Amanhã será um novo dia, o sol brilhará outra vez.

Lamentações

Meus pensamentos,
Se vão mais velozes que o vento,
Pra te encontrar.
São momentos de aflição,
Bate tão forte meu coração,
Não posso suportar.

Estou aqui parado, chateado,
Meu amigo de cordas ao lado,
Tento agora te esquecer.
As melodias soam tão tristes,
E meu coração insiste,
Progressivamente a bater.

São batidas lamuriantes,
Em um compasso palpitante,
Entre mágoas e dor.
Talvez seja a razão do destino,
Que faz um homem tão triste, andarilho.
A viver por este mundo em busca do amor.

Por quanto tempo ainda alimentarei esta ilusão?
Apegando-me ao nada, sentindo o coração,
Em soluços, aos gritos se esvaindo.
Sou mais um a viver a realidade,
Sentir tão longe a felicidade,
Tendo um coração dilacerado, se partindo.•.

Busca

Às vezes fico a imaginar,
O porquê de tantas angústias, tanto sofrimento,
Por que o desespero, o medo, coração sedento,
Em prantos a palpitar.

É a busca ofegante pela vida,
Que nos leva a rumos ignorados,
Vales, desertos, momentos inesperados,
Palavras soltas, como folhas secas, perdidas.

São estas buscas que dão sentido ao viver,
Nos mostra e ensina o caminho a percorrer,
E se cairmos iremos nos lembrar de que não estamos a sós.



Temos na bagagem uma porção de otimismo,
Pra não deixar que nasça em nós o egoísmo,
Que faz do homem nada, simplesmente pó.

O Tempo Passa

Você brilha e reluz como uma estrela,
E aqui estou pra vê-la,
Quando irás chegar?
Neste amanhecer gigante,
Com meu coração palpitante,
Quero te abraçar.

Em seus braços esquecer o ontem,
D então buscar novos horizontes,
Onde possa caminhar.
Se soubesses como dói a solidão,
Não maltrataria este meu pobre coração,
Que não se cansa de te esperar.

Diante da imensidão do mar,
Já nem sei como navegar,
Todos os meus rumos apontam seu caminho,
Cada vez mais eu te quero,
Com ternura eu te venero,
Que falta faz-me teu carinho.

O tempo passa e só você não vê,
Talvez não queira entender,
Que o meu amor é só seu,
Nada mais me importa neste mundo,
Penso em você, conto os segundos,
Acho que a felicidade de escondeu.

Há quem diga que ela exista,
Mas sem você tudo é tão triste,
Como posso acreditar,
Sonhar eu já não quero mais,
Descobri que sonhos não satisfazem,
Quero você, quero te amar.

O Amor Chegou

A noite serena, tão suave,
A brisa soprando calmamente, leve,
Você aprece em meu pensamento,

E vem chegando de mansinho,
Envolvendo-me em seu carinho,
E embalar-me ao vento.

Então deixo me envolver,
Pelos seus carinhos em um amanhecer,
Cheio de luz e calor.



Com doçura provo do teu beijo,
Seu corpo macio acende os desejos,
Doces momentos que nos levam ao amor.

Ouço a voz do coração,
Que se cala pela emoção,
Tudo é mais bonito nesta hora,

Não importa o que passou,
O que importa é que o amor chegou,
E por ele vamos viver agora.

Ainda Te Espero

Eu já tentei,
Nas tentativas me desesperei,
Não consegui te esquecer.
Az vezes eu quero dizer não,
Mas é tão contraditório ao meu coração,
Já não sei o que fazer.

Com meu barco rumo ao norte,
Vou navegando contra essa sorte,
Até que possa te encontrar.
Meu destino está marcado,
Deixa-me triste de coração magoado,
Sinto lágrimas dos olhos rolar.

Já busquei outro amor,
Mas em outros braços não tem o mesmo calor,
Nem as chamas ardentes do teu ser,
Você satisfaz meu ego,
Abrace-me e me ame porque me entrego,
De corpo e alma inteiramente pra você.

Nestes longos anos de espera,
Já se passaram tantas primaveras,
Porém a vontade de ter você é infinita,
Eu te amo e sempre grito pelo teu nome,
Você não ouve, a solidão me consome,
Minh ´alma entristece, meu coração se agita.

O Grito da Natureza

Eu queria falar das flores,
Mas não sei nada dizer,
Pois a muito elas foram belas,
A natureza já não tem mais espaço,
Agora só p progresso.
O dinheiro.
O Homem se vendeu por nada,
Perdeu-se em sua própria estrada,
Estrada do egoísmo,
Do individualismo,
Ouço o grito da natureza, A soar nas florestas,
O medo dos machados, das queimadas,
Não há quem a possa socorrer,
Os animais correm de um canto a outro,
A procura de abrigo, fugindo dos inimigos,
Temendo os perigos!
Eu quisera poder ajudar,
Cessar no homem esta fúria louca,
Em busca de riquezas, destruindo a natureza,
Sem pensar no amanhã!
Qual será o futuro?
A terra sem vida, a escarces do verde.
Sem ar pra respirar.
Onde vamos morar?
Sem o azul do céu pra contemplar,
Sem as aguas do mar pra se banhar,
Homem pense um pouco mais!
Conscientize-se do mal que faz,
Estás programado como uma máquina,
Uma ganância voraz toma conta de ti,
Perdeste o rumo e a noção,
Não tem amor pelas coisas belas da natureza,
Pela vida!
Movido pelo egoísmo,
Está a contar os seus dias,
Caça sua própria existência,
Com a extinção de seres vegetais,
Seres animais e a você mesmo,
Homem, tu que dizes ser o mais inteligente,
Entre os seres da criação divina,
Por que não olha um pouco mais,
Cautelosamente diante dos teus olhos,
A vida passa tão de repente,
E você está acelerando p processo,
Homem talvez esteja vivendo em um sonho,
Talvez um pesadelo!
É mais fácil assim explicar,
Preste atenção no que lhe digo,
E desperte enquanto é tempo,
Um dia será tarde demais.

Tarde Demais

Às vezes eu quero ficar só,
E assim pensar em nós dois,
Relembrar aquilo que fomos,
E hoje deparar-me com o que já não somos.

Sinto-me cara a cara com a realidade,
Às vezes ela segue a retidão,
Outras vezes não!
Ela também é injusta.

Dependendo do momento que vivemos assim pensamos,
Você não foi mais um amor que nesta vida perdi,
Foi algo bem maior, a felicidade que não alcancei.
A gente não pensa na hora,

E subitamente joga tudo fora,
Depois será muito tarde pra chorar,
Por que o que passou não volta jamais,
As recordações nos servem de consolo,

Lembranças que nos matam noite e dia,
Deixando-nos de coração vazio,
Estrutura abalada,
Sentimos então o que é a solidão,

E não nos conformamos,
Sob o pesar, a tristeza,
Então choramos!
Daí vem a realidade, acordamos muito tarde!

Tarde demais!
O trem da felicidade já partiu,
A caminhada agora será mais longa,
Tarde demais!
Tarde demais pra chorar.

Queria Ser

Eu queria ser como o vento,
E suavemente tocar seus cabelos,
Queria ser como as águas,
Para envolver seu corpo inteiro!

Do seu perfume queria ser a essência,
Queria ser como os raios do sol,
Pra deixar teu corpo aquecido,
Queria ser como a lua,


E não deixar trevas em seu caminho,
Pra você eu seria tudo!
Mas de repente este tudo é nada,
Serei talvez algo pra você?

Não sei...
Apenas sei que de tristezas até chorei,
Que rios de lágrimas derramei,
Mas isto não foi o bastante,

Sinto você cada vez mais distante,
É esta a razão do destino,
Que me leva a viver utopias,
Caminhar sem rumo, sem notar que já se vai o dia,

Só pensando em você!
Já que é tão difícil encarar esta realidade,
Procuro nos sonhos a fantasia,

E assim talvez esquecer a angústia daquele dia,
Que deixou meu coração tristonho,
Assim repleto de ansiedade.

A Fantasia dos Sonhos

É noite, penumbra, calmaria,
Um cheiro suave, cheiro de amor,
Sinto o calor do teu corpo, um ardor,
Seus lábios macios que só pra mim sorriam.

São encantos de um sonho, fantasias,
É brisa suave a soprar-me com carinho,
Palavras sussurradas bem de mansinho,
Qual sereno sobre a relva molhada, no alvorecer do dia.

Doces encantos, doces sonhos,
Eu que outrora tão tristonho,
Encontrei razão pra viver.

Caminhando por uma estrada deserta,
Minha esperança tão incerta,
No sofrimento aprendi lutar pra vencer.

21 de novembro de 2010

Falar de Amor

Falar de amor,
É falar de uma dor,
É se encantar com um sorriso,
Acreditar no paraiso.

Amar é sofrer,
É parte de cada ser,
Pois cada um sabe da tristeza,
Da dor e da incerteza.
Que nos faz bater no peito,
Olhar para os lados assim meio sem jeito,
Estamos amando!
Tem sempre alguém chorando,
E quase sempre por amor!



Falar de amor é assim,
Mas nem sempre os meios,
Justificam o fim!
A gente fica bobo,
Encontra sempre um motivo novo,
Pra falar de amor!

Chora pelos cantos,
Não se envergonha ao secar o pranto,
Falar de uma dor,
Isto é falar de amor.

19 de novembro de 2010

Amar em Silêncio

Olhar perdido no infinito,
No coração, uma dor , um grito,
Na alma uma incerteza inflama,
Bate no peito um coração em chamas.

Chamas da paixão,
De uma triste ilusão,
Lágrimas quentes,
Gotejam a gente sente,


Que perde o rumo,
Balança não tem prumo,
Porque tem que ser assim?

Amar em silêncio,
Total devaneios, fascínios,
Idas e vindas, desencontros sem fim.

13 de novembro de 2010

Minha Vida, Meu Desejo


Hoje a noite não tem luar,
Entre quatro paredes sem teus braços a me aquecer,
Sobra espaço na cama onde você não está,
Falta calor, falta amor, teu respirar.

Hoje a noite não tem estrelas,
Meus olhos procuram, mas não consigo vê-las,
Entre quatro paredes a escuridão é total,
Sem o brilho do teu olhar, perigo fatal.




Vou abraçar teu travesseiro,
Está ao meu lado, não me deixa, é meu companheiro,
Tem teu cheiro, um fio de cabelo,

Se não acordar, com ele vou estar,
Se acordar, sobre ele vou chorar
Toda lágrima será pra você, minha vida, meu desejo.

9 de novembro de 2010

Minha Utopia

Hoje a lua está solitária,
Em um céu sem estrelas,
As nuvens que passam levam poeiras,
Personagens imaginárias!

Hoje estou só nesta noite,
Sinto os ventos na janela, açoites,
Eu grito, mas ninguém me ouve,
Sou companheiro da lua mesmo que não aceite!



Estou sozinho aqui fora,
Vejo que a noite já foi embora,
O que me traz o dia?

Como amiga na noite tive a solidão,
Na luz do dia caminho entre a multidão,
Segue a vida, minha utopia!

5 de novembro de 2010

Início, Meio e Fim


Hoje eu vi o sol partir,
Vi a lua se despedir,
Mas não vi você chegar!
Senti a brisa soprar,
O mar se acalmar,
Mas não pude te tocar!

Hoje a lua se escondeu,
O sol não me aqueceu,
Senti o frio do vazio do que é não ter você,
Meus olhos rasos d´agua,
Perdia-se em meio às lágrimas,
Não queria te perder!
Mas não pude evitar,
Foi destino meu, azar,
Você partiu sem avisar,
Não quis acreditar!

Hoje não vejo mais a lua,
Já não passo naquela rua,
Onde tenho lembranças suas,
A verdade é cruel nua e crua!

Adeus! Não precisa me explicar,
Não vou mais chorar,
Pode ir embora,
Vou sofrer nesta hora,
Mas a vida é assim,
Tem inicio meio e fim!

4 de novembro de 2010

Está Morrendo um Coração

Está morrendo um coração,
De saudade e solidão,
Amou e viveu por alguém,
Que nunca teve amor por ninguém.

Está morrendo um coração,
Que escreve versos de paixão,
Bate no peito em descompasso,
Pois sem você eu não me acho.

Será que você não sente, não vê?
Que este amor é pra valer!
Vem me abraça, deixa eu te amar!

Não deixe morrer e partir sem razão,
Este amor é parte da nossa canção,
Sem você não há razão pra Sonhar.

23 de outubro de 2010

Sem Destino

Deixei meus passos na areia,
Por estradas que caminhei,
Com saudades minha alma vagueia,
Pelos destinos e sonhos que sonhei,

Sou viajante do tempo,
Sempre faço meu caminho, invento,
A minha estrada é sem destino,
Meus passos são de menino,

Sigo ao vento, deixo ele me levar,
Sigo as estrelas, deixo elas me guiar,
Nos mares tenho os remos, me deixe remar!

Não levo bússola, nenhum instrumento,
Meu destino é incerto, é deserto,
Saberei quando chegar!

22 de outubro de 2010

Silêncio

Silêncio é tudo que ouço nesta noite fria,
Vento a balançar as cortinas, sussurros, sedução,
Silêncio é tudo que ouço nesta minha utopia,
Imaginando o toque suave de suas mãos!

E grito ao vento meu lamento,
Busco-te e te acho em pensamentos,
Tenho alento, sensação de amar,
Sinto teus lábios a me tocar!





Silêncio e tudo fica triste,
A fantasia já não existe,
Você não está aqui!

Silêncio e tudo se perde na estrada,
Dos sonhos, das palavras mal faladas,
Ficam as mágoas em saber que te perdi!

19 de outubro de 2010

Acreditar

Eu queria poder abraçar o mundo,
E por alguns segundos,
Acreditar...
Acreditar que o amor nunca se acaba,
Se erguer depois que tudo se desaba,
Fico a meditar!

Porque que uns estão a sorrir,
Enquanto outros estão a chorar?
Porque devemos partir,
Se queremos tanto ficar?

Será que encontro a resposta?
Será que está além destas portas?
Acho que vou abrir!

Vou abrir meu coração,
Talvez em uma prece, uma oração,
Eu veja então a luz!

No fim do túnel brilha um clarão,
Olha! Vem em minha direção,
Acho que ainda tem solução.

16 de outubro de 2010

Abandonado Coração

Hoje em quatro paredes,
Já armei a minha rede,
Tecida em solidão!
Meu oceano é imenso,
Perde-se de vista e logo penso,
Perdi os remos, me caíram das mãos!

Hoje me deixas aqui no chão!
Abandonado coração,
Hoje eu grito pela razão,
Por amor não se morre não!

Hoje me deixas sem direção,
Olhos cegos de paixão!
Hoje morre um coração,
Que bate fraco sem razão!

Vou buscar em outros caminhos,
Aconchego em outros ninhos,
O que não tenho aqui nesta solidão!

Hoje sou ave de rapina,
A voar pelas campinas,
Buscando entender seu coração!

13 de outubro de 2010

Dia de Rotina

A noite chegou e a lua convidava,
A viajar nas nuvens, passear nos céus,
Abraços apertados, palavras sussurradas,
Viajando ao vento como um carrossel!

Amor de madrugada
Sem pensar em mais nada,
Uma paixão descontrolada,
Um coração em disparada!



Tudo acontece de repente,
Sem nada avisar, nem quero acordar,
Todo amor que a gente sente,
Reflete-se no carinho, no desejo, no olhar!

Nesta entrega corpos se abraçam,
Mãos que se apertam sem parar,
Olhos que olham nos olhos,
Lábios quentes levemente a se tocar!

Assim mais um dia de rotina,
Abre e fecham as cortinas,
Recomeçar tudo outra vez,
Relembrar tudo que se fez.

5 de outubro de 2010

Fogo e Paixão

Foi assim de repente,
A gente ali frente a frente,
Foi paixão!
Avassaladora, predadora,
Lasciva e dominadora,
Acelerou o coração!

Explode os desejos,
Daqueles que vem com um beijo,
Aperta o peito!
Agora deixa rolar,
Não dá pra parar,
É amor assim desse jeito!

Sem esperar,
Sem se cobrar,
Sem nada a perder!

Fantasia viva do momento,
Revela ali todo sentimento,
Que se tem pra oferecer!

É amor, fogo e paixão,
Une dois corações,
Numa vida de emoção!

25 de setembro de 2010

Coração Bobo

A alma chora,
Coração implora,
Dai-me um pouco deste amor!
Vento que bate á porta,
Ninguém escuta não se importa,
Solidão e dor!

Ah! Coração bobo,
Desconhece esse jogo,
Por que não aprendes a jogar!?
Deixe a solidão lá fora,
Mande a tristeza embora!
Tente se libertar!

Há caminhos que parece bem,
Se pensar, às vezes não convém,
Dilema, todos já viveram!

Você não é diferente,
Bate forte, também sente,
Há quem diga, nem mereceram!

Tudo bem pode ser assim?
Continue a bater por mim,
Viverei por Ti!

Não morras ainda,
Não deixe que findas,
Ainda estou aqui!

21 de setembro de 2010

Delírios

No meio da noite,
Ouço o sussurrar dos ventos,
Nas janelas, açoites...

Um grito ecoa na escuridão,
Aperta o peito, solidão,
Desejos explodem em paixão!

Oh pobre alma,
Que sofre e vaga,
Pede calma!
Delírios de um coração,
Sangra de emoção,
E pulsa sem parar!

Vive uma ilusão perdida,
Numa estrada sem saídas,
Procuras aonde chegar!

Nem tudo está perdido,
Nada foi esquecido,
Ainda há tempo para amar!

Após um dia sempre outro tem,
A vida segue neste vai e vem,
Há sempre um motivo para recomeçar!

17 de setembro de 2010

Coisa Pequena

A noite é fria, aqui fora a solidão é fera,
E eu não sei se ainda me espera,
Se ainda se lembra de todas as juras,

Que seria eterno,
Calor mesmo no inverno,
Não seria só uma aventura!

A gente não diria adeus,
Jamais esquecer o que viveu,
Promessas, promessas você me fez!
Eu acreditei, não hesitei e te amei,
Se você me amou, hoje não sei,
Talvez pura insensatez!

E agora o que fazer se arde em meu peito,
Eu sei não é direito, nada é perfeito,
Chorar não vale a pena!

Paga-se um preço por se apaixonar,
Paga-se em dobro por se entregar,
Paixão é mesmo coisa pequena!

Foi Assim

Hoje encontrei a saudade,
Que de passagem pela cidade,
Fez-me lembrar de você!
Subitamente eu totalmente inconseqüente,
Cabeça feita, alma de adolescente,
Amei-te mesmo sem querer!

Foi assim quando cruzamos um olhar,
O coração se pôs a disparar,
Foi assim, me prendi!
Foi sem querer, sem perceber,
Já estava a me perder,
Deixei aflorar o amor que senti!

Amor adolescente daqueles que a gente sente sem querer,
Apaixona-se sem perceber, sem se conter,
Foi assim que tudo começou!

E agora distante te vejo partir no horizonte,
Onde meus olhos se perdem é ofuscante,
Foi assim, que tudo acabou!

14 de setembro de 2010

Você Sempre Será

Você sempre será o desejo que arde em mim,
A saudade que não quer partir,
A solidão de uma noite sem fim,
As batidas de um coração a diminuir!

Você sempre será a busca cega e infinita,
A loucura de querer no ápice chegar,
A alegria de amar e se entregar,
A paixão que arde no peito, aperta e ínsita!




Você sempre será a luz que guia,
A esperança que renasce a cada dia,
A brisa calma ao cair da tarde,
Que chega impetuosa e invade!

Você sempre será minha razão de amar,
Meu motivo pra sorrir e sonhar,
Um motivo para aprender a viver,
Uma lembrança pra nunca esquecer!

Você é assim, um pedaço de mim,
Não dá pra mudar tem que ser assim,
Sou gota d´agua, você oceano,
Deixar te amar, nem por engano!

19 de agosto de 2010

Pensar em Você

Fecho os olhos pra ver você chegar,
Imaginar que vou te abraçar,
Me agarrar ao travesseiro sem querer acordar!
É assim que estou, fico assim sem você.

Queria eu poder o tempo parar,
Queria eu poder no tempo voltar,
E me arrepender do momento que eu quis te deixar!
Mas se o tempo não pode voltar atrás,
E o que se fez não se desfaz,
Quero agora então esquecer!

Só assim poderei viver,
Sem o medo de te perder,
Sem a frustação de não lhe ter,
Sem um motivo para outra vez sofrer!

Então abro os olhos e posso ver,
Que mesmo sem perceber,
Continuo mesmo a te querer,

Não sei dizer quantas vezes quis te esquecer,
Mas sou mesmo assim,
Não sei o que se passa em mim,
Quando penso em você!

Fico meio poeta,
E como só as palavras me restam,
Volto a pensar em você,
Sonhar em lhe ter,

E nunca mais lhe perder,
O que mais posso fazer?
Se não sei mesmo viver sem você!

12 de agosto de 2010

Um Novo Dia


Quanto tempo se passou,
Tão pouco a gente se falou,
Vi você nascer e aos pouco crescer,
Senti muito ao te perder!

Mas a vida é mesmo assim,
A gente sabe que tem que encarar,
Não adianta chorar, parar, nem pensar,
Vou continuar mesmo que doa em mim,



Hoje eu sei que você vai estar bem melhor,
Hoje eu sei que você não estará só,
Anjos de Deus estarão ao seu redor,

E eu continuarei a te amar,
Por que eu sei que vives além,
E não há ninguém mais que possa te ferir,

Que impeça o teu sorriso, o brilho do teu olhar,
Muito além daqui sei que a paz vai encontrar,
E prá você um novo dia nascerá!

22 de junho de 2010

Não dá prá esperar

Quanto posso esperar por alguém que não vai chegar!?
E se eu chorar, as lágrimas quem vai enxugar?
Não dá para esperar!!
A felicidade vir bater em minha porta,
Acreditar que alguém se importa,
Sem buscar o que é real e conforta?

Louco sou pela vida!
E não importa se a sorte foi perdida,
Muitas razões existe pra levantar e lutar!
Se um amigo se vai, muitos outros virão,
E num abraço forte, aperto de mão,
Surge então uma nova canção!

É o grito da alma,
Que agora tem pressa, muita pressa de chegar!
Ao ápice, ao cume do monte e descansar!

Da fonte nas águas doce e calma,
A sede saciar, o corpo se banhar,
Dos olhos as lágrimas não mais rolar!

Não dá prá esperar!
Se não acreditar!